MIB: Internacional | Crítica

12 de julho de 2019

Publicado por Volney Tolentino

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no twitter
Tuíte isso
Compartilhar no whatsapp
Enviar no Whatsapp

Análise sobre o filme “MIB: Homens de Preto – Internacional”, da Sony Pictures, aqui no site Cebola Verde. Confira a ficha técnica da trama cinematográfica:

Nome: MIB: Homens de Preto – Internacional (Men in Black: Internacional)

Estreia: 13 de junho de 2019 (Brasil) – 1h 55min

Direção: F. Gary Gray

Elenco: Tessa Thompson, Chris Hemsworth, Liam Neeson, Emma Thompson, Rebecca Ferguson, Kumail Najiani

Distribuidora: Sony Pictures


Depois do grande sucesso da dupla Chris Hemsworth e Tessa Thompson como Thor e Valquíria, respectivamente, em “Thor: Ragnarok” (2017), agora ambos atores hollywoodianos tentam um retorno de muito carisma em “MIB Internacional“. Com a direção de Gary Gray, o nome MIB volta a estar na língua dos amantes da sétima arte depois de sete anos e sem a sua principal marca, Will Smith, que interpretou o Agente J, e Tommy Lee Jones, Agente K. Mas será que era necessário explorar mais desse universo de aliens e bizarrices?

MIB: Homens de Preto – Internacional” não entrega nem um pouco do que se espera de uma franquia Homens de Preto. Mesmo com o carisma da dupla H (Hemsworth) e M (Thompson), o filme não mostra nenhum envolvimento e coerência com o espectador. Parece que o filme foi empurrado com a barriga, ou seja, foi completamente mal escrito. E como foi dito antes, a expectativa de alguns, por ter o nome MIB, era grande. Outro fator que marca a franquia é a comédia, o que não funcionou em nenhuma vez; fora de timing e sem graça.

A ideia de ter um agente experiente como o H e uma agente novata como a M foi boa, mas não saiu do papel, infelizmente! Perdido e fora de texto. Entretanto, não descarta a boa química que existe entre Chris Hemsworth, Tessa Thompson e o súdito Pawny, interpretado por Kumail Najiani.

As características técnicas foram boas, não declinou. A edição continua padrão MIB, o mesmo jeitinho dos filmes antecessores; os efeitos especiais também deram uma melhorada significante, o mínimo; a trilha sonora é boa, sem pontos a destacar; e uma ambientação bastante rústico. É bem legal ver alternâncias de elementos, já que a trama se passa no planeta inteiro praticamente.

Diante dos fatos supracitados, MIB: Homens de Preto – Internacional não conseguiu ser um filme blockbuster e não há menção alguma com os primeiros protagonistas. Acerta em cheio em escolher atores incríveis, mas peca em não fazê-los fluir com o roteiro, que é fraquíssimo.

Notas
  • Atuação
  • Edição
  • Efeitos Especiais
  • Direção
  • Roteiro
  • Trilha Sonora
2.3

Sinopse

Quando criança, Molly (Tessa Thompson) presenciou a abordagem de dois agentes do MIB aos seus pais, apagando a memória deles acerca da súbita aparição de um ser extraterrestre. Como estava escondida, a garota não foi atingida pela ação. Obcecada pelos mistérios do universo, ela cresceu com o sonho de ingressar no MIB. Após muita pesquisa, ela consegue descobrir a sede da agência e lá se candidata a uma vaga, sendo aceita por O (Emma Thompson). Ainda em experiência, e agora renomeada como agente M, ela é enviada a Londres para investigar algo estranho que tem ocorrido na agência local. É quando conhece o agente H (Chris Hemsworth), de grande renome pelos seus feitos no passado mas uma certa arrogância e displicência na execução do trabalho.

© 2020. Cebola Verde - "Versão 4.0: Cebolovers" / Developed by Mattz

DESCASCANDO!
CURRENTLY OFFLINE