It: Capítulo Dois | Crítica

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Análise sobre o filme continuação “It: Capítulo Dois”, da Warner Bros. Pictures (convite da Warner Bros. Pictures Brasil), aqui no site Cebola Verde. Confira a ficha técnica da trama cinematográfica:

Nome: It: Capítulo Dois (It Chapter Two)

Estreia: 05 de setembro de 2019 (Brasil) – 2h 50min

Direção: Andy Muschietti

Elenco: Bill Skarsgård, James McAvoy, Jessica Chastain, Bill Hader, Isaiah Mustafa, Jay Ryan (III), James Ransone, Andy Bean

Gênero: Terror

Distribuidora: Warner Bros. Pictures


A primeira parte de “It A Coisa” foi realmente surpreendente. Eu não sou o maior fã do gênero, mas as obras de Stephen King sempre me animaram muito. Entretanto, apesar do primeiro filme ser uma adaptação digna do livro e não fazer feio perto da minissérie clássica, ele tinha alguns problemas que aparentavam ser resolvidos neste segundo capítulo. E talvez, essa tenha sido a minha maior decepção.

Quando penso no primeiro filme, lembro de ter divertido-me muito mais do que assustado; também o filme não era bem resolvido quanto aos seus efeitos visuais. Nesta trama, potencializa todos esses problemas; na tentativa de assustar a todo momento, ele acaba apelando para efeitos nada convincentes e a uma violência gráfica desnecessária — isso em algumas cenas. O terror poderia ser bem melhor resolvido se fosse mais sugestivo, cujas várias dessas imagens de violência ficassem só na mente do espectador. Porém, às vezes, parece que o terror novamente não é o foco dessa nova abordagem da história, que acaba se rendendo a um drama sobre crescimento e superação de traumas. Drama esse que, apesar de muito eficiente para conduzir a narrativa, precisava de mais espaço no filme se a intenção era mesmo levar a história por esse lado.

Entretanto, o filme acerta muito em vários aspectos! Alguns desses herdados do primeiro capítulo, como o elenco que está incrível mesmo que o roteiro não dê muito para eles fazerem. A primeira vista parece um desperdício de grandes nomes como Jessica Chastain (Interestelar, Histórias Cruzadas) e James McAvoy (Fragmentado, O Procurado), que compõe o elenco adulto. Sendo que, sem eles, talvez os personagens parecessem mais rasos. Na outra mão, os destaques desse novo elenco estão com o Bill Harder (Barry, Saturday Night Live) e James Ransone (A Entidade, O Plano Perfeito), que interpretam as versões adultas de Richie e Eddie, respectivamente. Eles são responsáveis pela maior parte do humor do filme, que assim como no primeiro capítulo, parece ser o elemento que mais funciona. E vale uma nota para Bill Skarsgård que continua medonho como o palhaço Pennywise.

Todos os flashbacks nos anos 80 continuam impecáveis, e o filme transita muito bem entre passado e presente. A direção é muito hábil em transitar entre sequências, trazer todo o elenco mirim de volta, o design de produção e figurinos aquecem o coração quando nos lembramos das cenas de ternura e fraternidade da primeira parte.

It: Capítulo Dois” é um bom filme e encerra de maneira mais sóbria e menos ousada do que a obra original. Com o elenco extremamente carismático e uma direção acertada, as 2 horas e 50 minutos de filme passam de forma amistosa, e ao mesmo decepcionante, encerra bem essa história icônica do gênio do terror Stephen King — que tem uma das melhores cenas do filme!

Notas
  • Atuação
  • Direção
  • Edição
  • Efeitos Especiais
  • Roteiro
  • Trilha Sonora
3.3

Sinopse

27 anos depois dos eventos de “It – A Coisa”, Mike (Isaiah Mustafa) percebe que o palhaço Pennywise (Bill Skarsgard) está de volta à cidade de Derry. Ele convoca os antigos amigos do Clube dos Otários para honrar a promessa de infância e acabar com o inimigo de uma vez por todas. Mas quando Bill (James McAvoy), Beverly (Jessica Chastain), Ritchie (Bill Hader), Ben (Jack Ryan) e Eddie (James Ransone) retornam às suas origens, eles precisam se confrontar a traumas nunca resolvidos de suas infâncias, e que repercutem até hoje na vida adulta.

VOCÊ TAMBÉM PODE CURTIR