Homem-Formiga e a Vespa | Crítica

Análise sobre o filme “Homem-Formiga e a Vespa” da Marvel Studios (convite da Disney Pictures BR), sequência de “Homem-Formiga”, aqui no site Cebola Verde. Confira a ficha técnica da trama cinematográfica:

Nome: Homem-Formiga e a Vespa (Ant-Man and the Wasp)

Estreia: 05 de julho de 2018 (Brasil) – 1h 58min

Direção: Peyton Reed

Elenco: Paul Rudd, Evangeline Lilly, Michael Douglas, Michael Peña, Judy Greer, T.I., Michelle Pfeiffer e Laurence Fishburne

Distribuidora: Disney | Buena Vista


Homem-Formiga e a Vespa” chega aos cinemas procurando atender as expectativas dos fãs da Marvel logo após o sucesso de “Vingadores: Guerra Infinita“. Entretanto, o que muitos ainda não sabem, é que a história do filme é uma sequência dos acontecimentos de Guerra Civil e vem antes da tão temida chegada de Thanos.

Scott Lang (Paul Rudd) está de volta tentando reorganizar a sua vida e tendo que lidar com as consequências de sua escolha como pai e super-herói. Mas, em certo momento, é procurado por Dr. Hank Pym (Michael Douglas) e Hope Van Dyne (Evangeline Lily) para uma missão urgente: Trazer de volta Janet Van Dyne (Michelle Pfeiffer) que e­­stá presa no Reino Quântico há muitos anos. E é nesta missão que podemos ver como ele e a Vespa conseguirão trabalhar juntos e até aonde vai o entrosamento dos dois.

O filme tem a direção de Peyton Reed (assim como o primeiro), que não traz grandes mudanças na estrutura do longa, mas conseguimos perceber algumas diferenças no estilo do roteiro. Esse tem um tom leve, intimista, traz muita ação e humor nos momentos certos.

Paul Rudd mostra seu lado naturalmente cômico, interpretando mais uma vez um dos heróis da Marvel, onde pode brilhar no próprio filme, cativando ainda mais o público. Dessa vez, ele divide as melhores cenas de luta e perseguição com Evangeline Lily (A Vespa), que dá um show de atuação e é um dos grandes destaques do filme. Intensa, determinada e uma heroína com grande potencial! A química entre eles – em cenas de ação – é muito boa, todavia o romance dos dois não é o ponto alto do filme.

E falando em química, não poderia deixar de falar da relação maravilhosa de Scott Lang com sua filha Cassie, interpretada por Abby Ryder Fortson. Eles conseguem transparecer todo amor e companheirismo que um tem com o outro de forma bem-humorada.

Outro destaque é Michael Peña, que volta ao seu papel de Luis, e continua nos proporcionando cenas hilárias, principalmente com a piada que funcionou muito bem no primeiro filme.
Porém, o roteiro não deixa a responsabilidade do alívio cômico apenas para Luis. Os demais personagens (menos os vilões) trazem um tom certo de humor de acordo com cada personalidade. Assim como Hank Pym, que consegue arrancar algumas risadas do público durante o filme.

Michael Douglas traz além da leveza, a emoção. Ele e Michelle Pfeiffer, conseguem nos encantar, trazendo uma carga dramática no filme com elementos importantes que podem acrescentar bastante no futuro da franquia.

O ponto fraco do filme é a vilã Fantasma (Hannah John-Kamen), que não consegue ser marcante ou inesquecível. E, por mais que possamos entender sua motivação, ela acaba servindo apenas como um obstáculo para a grande missão do Homem Formiga e da Vespa.

Por outro lado, podemos bater palmas para os efeitos especiais, que nos deixam empolgados com tamanha qualidade em cenas de ação. Num filme, cujos os personagens aumentam, diminuem, alteram o tamanho de objetos, voam, e até mesmo atravessam um “mundo quântico”; os efeitos não poderiam ser melhores.

Para finalizar, temos uma boa notícia: O filme faz uma ligação com “Vingadores 4” e nos deixa algumas pistas sobre a importância do Homem-Formiga nos próximos filmes. Então, preste atenção em elementos chave que acontecem durante toda a história e não saia do cinema sem conferir as duas cenas pós-créditos.

Divertido, leve e cheio de ação. “Homem-Formiga e a Vespa” é a sequência que precisávamos para curtir e nos deixar ainda mais ansiosos com o futuro do Universo Marvel.

Estamos ao vivo!
CURRENTLY OFFLINE