Dragon Ball Super: Broly | Crítica

Análise do filme “Dragon Ball Super: Broly” da Toei Animation, aqui no site Cebola Verde. Confira a ficha técnica do filme:

Nome: Dragon Ball Super: Broly

Estreia: 03 de janeiro de 2019 (Brasil) – 1h 40 min

Direção: Tatsuya Nagamine

Vozes originais: Banjô Ginga, Naoko Watanabe, Kôichi Yamadera, Takuya Kirimoto, Nana Mizuki, Tomokazu Sugita, Masami Kikuchi, Kimiko Saito

Dubladores: Wendel Bezerra, Alfredo Rollo, Tânia Gaidarji, Luiz Antônio Lobue, Marina Santana, Dado Monteiro, Carlos Campanile, Wellington Lima

Distribuidora: 20th Century Fox


Dragon Ball Super: Broly é o mais novo filme da franquia Dragon Ball e já se pode dizer que é o mais bem sucedido também. Quebrando recordes da própria franquia nas telonas, o longa mostra uma origem um tanto diferente do que é visto no mangá/anime, com poucas mudanças que não interferem no desenvolvimento da história já conhecida. A trama mostra uma história bem característica de Dragon Ball, com cenas de comédia e “Oi, eu sou o Goku!”, levando até o confronto entre Broly, Freeza, Goku e Vegeta.

A história se passa um tempo depois dos acontecimentos da saga do Torneio do Poder mostrada no anime, e foca bastante no desenvolvimento de Broly, já que é uma nova origem do personagem, que agora se torna canônico. Esse, inclusive, pode ser considerado um dos pontos altos do filme, por apresentar uma visão completamente oposta a do antigo Broly, que os fãs já estavam acostumados. Da personalidade selvagem e descontrolada apresentada na década de 90, o novo Broly apresenta uma maior “humanidade”, que é trabalhada no decorrer do longa. As origens de Goku e Vegeta ganham muito destaque também pois são revelados mais detalhes não vistos no mangá/anime. As cenas de luta obviamente são o ponto mais alto do filme, com o embate entre os guerreiros Z e Broly, que é de tirar o fôlego e deixar o fã sem piscar em nenhum momento.

A animação possui um traço diferente do que é apresentado no anime, mas ajuda a melhorar a qualidade dos movimentos e deixar mais real. Os efeitos especiais também não decepcionam e tornam as cenas de luta muito mais incríveis.

A trilha sonora do longa pode ser considerado um dos pontos mais baixos, algo que não é de costume da franquia. Sem músicas empolgantes em meio às lutas, apenas um som com pegada de rock e o cantor gritando o nome dos personagens repetitivamente (e isso ficou péssimo). Além das músicas em inglês que deixaram um tom muito genérico.

Diante dos fatos supracitados, “Dragon Ball Super: Broly” pode ser considerado sim o melhor filme da franquia e foi feito para, primeiramente, agradar aos fãs. Além de ser um bom filme para ver com a família também, já que conta com boas cenas de comédia para divertir qualquer faixa etária.

Redigido também por André Fernando Sales Ignacio.

Edição por Volney Tolentino.

Notas
  • Atuação
  • Direção
  • Edição
  • Efeitos Especiais
  • Roteiro
  • Trilha Sonora
3.8

Sinopse

Apesar da Terra estar em um período de calmaria, Goku se recusa a parar de treinar constantemente – ele quer estar pronto para quando uma nova ameaça surgir. O que ele não imaginava era que seu novo inimigo seria Broly, um poderoso super saiyajin sedento por vingança, que deseja destruir todos que encontrar pela frente.

Estamos ao vivo!
CURRENTLY OFFLINE