Klaus | Crítica

9 de dezembro de 2019

Publicado por Samuel Chaves

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no twitter
Tuíte isso
Compartilhar no whatsapp
Enviar no Whatsapp

Análise sobre o filme “Klaus”, da Netflix, aqui no site Cebola Verde. Confira a ficha técnica da trama cinematográfica:

Nome: Klaus

Estreia: 15 de novembro de 2019 – 1h 36 minutos

Direção: Sergio Pablos

Dubladores: Rodrigo Santoro como Jesper; Fernanda Vasconcellos como Alva; Daniel Boaventura como Klaus.

Gênero: Animação Infantil

Distribuidora: Netflix


Ah, o espírito natalino chegou à Netflix! Anualmente, a plataforma lança especiais de Natal de suas séries originais, além de novas produções. “Klaus“, cativou uma gama enorme de pessoas, devido ao seu visual bonito e sua história cativante.

A história pretende contar a origem do “Santa Claus“. No Brasil, ele é chamado de Papai Noel — como todos vocês já sabem. Ela narra a história de Jesper (Santoro), um estudante da Academia Postal, o qual também é filho do diretor e, por hora, acaba sofrendo um castigo pesado. Sendo assim, ele é movido para uma unidade de Correios em uma cidade longínqua chamada Smeerensburg, que apenas levando 100.000 cartas, ele voltaria para mordomia de sua casa. Lá ele conhece a cidade e o lenhador Klaus (Boaventura), que sem querer, recebe uma carta de pedido de socorro de uma criança solitária. Para tentar animá-la, os dois se “unem” para levar um brinquedo a pobre criança triste, ao ver uma oportunidade de conseguir bater a meta. Jesper convence as crianças de toda a cidade a escrever para Klaus, trazendo alegria a triste cidade.

O filme é bastante alegre e entretém o público, o qual cumpre seu papel como um típico filme natalino; e de quebra, acarreta uma ótima narrativa familiar.

Notas
  • Direção
  • Edição
  • Roteiro
  • Trilha Sonora
4.5

Sinopse

Em Smeerensburg, remota ilha localizada acima do Círculo Ártico, Jesper (Jason Schwartzman) é um estudante da Academia Postal que enfrenta um sério problema: os habitantes da cidade brigam o tempo todo, sem demonstrar o menor interesse por cartas. Prestes a desistir da profissão, ele encontra apoio na professora Alva (Rashida Jones) e no misterioso carpinteiro Klaus (J.K. Simmons), que vive sozinho em sua casa repleta de brinquedos feitos a mão.

© 2020. Cebola Verde - "Versão 4.0: Cebolovers" / Developed by Mattz

DESCASCANDO!
CURRENTLY OFFLINE