The Boys | Crítica

Análise sobre a série “The Boys”, da Amazon Prime, aqui no site Cebola Verde. Confira a ficha técnica da trama cinematográfica:

Nome: The Boys

Estreia: 26 de julho de 2019 – 60 minutos, em média

Direção: Eric Kripke, Evan Goldberg e Seth Rogen

Elenco: Karl Urban, Jack Quaid, Antony Starr, Erin Moriarty, Dominique McElligott, Jessie T. Usher, Laz Alonso, Chace Crawford, Tomer Kapon, Karen Fukuhara, Nathan Mitchell e Elisabeth Shue

Distribuidora: Amazon Prime Video


No dia 28 de dezembro de 1895, os irmãos franceses Auguste e Louis Lumière entraram para a história da cinematografia. Desde então, inúmeros gêneros ao longo do tempo foram criados a partir desta nova tecnologia. Tais gêneros que vinham de acordo com o contexto histórico de cada época, como por exemplo: bíblico, velho oeste, monstros, guerra fria, sci-fi e por aí vai. Pois bem, o gênero do momento é o de superherói e seus incríveis efeitos especiais.

Os quadrinhos, que até então eram apenas considerados para um público “nerd”, vêm cedendo suas criações às grandes telonas. Vemos então essas criações criando corpo e chegando a um público muito maior, já que o compartilhamento do cinema, ou melhor, um filme pode chegar a qualquer um.

A série “The Boys” veio a partir de uma história em quadrinhos, mas talvez você não saiba, pois ela não chega perto da fama da Marvel e DC. Ainda mais que seus “heróis” são considerados uma cópia descarada da DC Comics. Isso pode ser um problema para série, certo? Errado!

“The Boys” consegue ser tão original, quanto suas concorrentes. O modelo que a trindade da produção moldou a série é realmente animador. E, com certeza não é uma série para crianças. O público verá palavreados de baixos calões, gírias, cenas de nudez e sexo, injúrias e violência agressiva. O máximo que você viu um “superherói” fazendo isso foi o nosso querido Deadpool. Entretanto, isso não é apenas por brincadeira ou para deixar engraçado, a vida real é assim. E é isso que faz a série ser tão boa e aclamada por muita gente. “The Boys” mostra o verdadeiro comportamento de uma pessoa sendo um “superherói” com todos os seus problemas particulares. Nem todos os mocinhos são agradáveis quanto parece. Os bastidores são sempre cruéis e mostram a verdadeira realidade.

O uso das aspas em superherói, no sentido figurado, é para mostrar que nem sempre podemos dizer que são superheróis, e até mesmo a série diz que eles são super apenas. A legião de heróis é constituída por Capitão Pátria (Antony Starr), parodiando o Superman; Rainha Maeve (Dominique McElligott), parodiando a Mulher-Maravilha; Profundo (Chace Crawford), parodiando Aquaman; Black Noir (Nathan Mitchell), parodiando o Batman; Trem-Bala (Jessie T. Usher), parodiando o Flash; e a novata Starlight (Erin Moriarty), é uma das protagonistas. Por fim, a Nick Fury dos super, Madelyn Stillwell, por Elisabeth Shue. Vale ressaltar a presença do Translúcido (Alex Hassell).

Por outro lado, temos os rapazes e protagonistas da série, como Hughie (Jack Quaid), Bruto (Karl Urban), Leitinho (Laz Alonso), Francês (Tomer Kapon) e Kimiko (Karen Fukuhara).

Todos os personagens super funcionam em completa harmonia e consegue transmitir toda a carga dramática para o público. Capitão Pátria carrega em si todo o suspense, que aliás, a série por completo faz isso muito bem. E uma das coisas que ela não convence é nisso, os efeitos especiais não são bons, mas dá para entender a questão do baixo orçamento.

A trilha sonora é convincente, atual e vária de acordo com cada momento de cada personagem. Uma fotografia norte-americana acinzentada acompanhada de lindos figurinos. O roteiro então faz jus a todo espetáculo: coerente, desenvolvimento amarrado e a excitação ao longo dos capítulos.

Diante dos fatos supracitados, “The Boys” beira à perfeição. Toda sua mecânica é louvável. Os personagens são carismáticos a tal ponto de sentir raiva deles e suas devoções transpassam de forma coesa. Tirando os efeitos especiais e pouca falta dos poderes, já que os principais não possuem, The Boys melhorará nesse quesito na segunda temporada e responderá as dúvidas do último episódio.

Notas
  • Atuação
  • Direção
  • Edição
  • Efeitos Especiais
  • Roteiro
  • Trilha Sonora
4.4

Sinopse

Quando a fama sobe à cabeça, alguns super-heróis passam a se corromper e usar seu status para se promoverem ainda mais, o que pode colocar em risco a própria população. Pensando nisso, uma equipe da CIA foi preparada para cuidar desse caso. Conhecidos como “os meninos”, esses agentes têm a missão de vigiar o trabalho dessas personalidades, assim como controlar o surgimento de novos heróis.

Volney Tolentino

Jovem dinâmico, que detém o poder central dos Cebolas Verdes; Um clã no interior (sigilo) da imensa África Subsaariana. Sua missão é fazer o bem como designer, crítico de cinema, professor de inglês e amante esportivo.

Estamos ao vivo!
CURRENTLY OFFLINE