Binarious explora múltiplas linhas do tempo em seu primeiro clipe

“Artificial” é o primeiro single do duo brasiliense.

O duo brasiliense Binarious discute a força e o poder das escolhas em seu primeiro clipe, que acompanha uma mulher pela noite de Brasília. Com a própria cidade como um de seus personagens principais, “Artificial” une indie rock e experimentalismo e é a primeira faixa do EP de estreia da banda, previsto para o começo de 2019.

Formada pela mineira Andressa Munizo e pelo brasiliense Jan Silva, a banda desenvolve todo o espectro do seu trabalho por conta própria. Ela, estudante de cinema, faz os vídeos; e ele, designer, faz o visual. Tanto que o clipe foi assinado pela artista e por amigos do curso de cinema, também cumprindo o papel de um de seus projetos do curso. O videoclipe narra a história de um incidente que cria três realidades temporais para a mesma pessoa e como elas se desenvolvem paralelamente – um assalto, um amor e a autorrealização – até se convergirem no final. A protagonista é Ana Vaz, da banda Dennehy.

“Artificial” usa a teoria da relatividade como metáfora para questionar as aflições da geração milênio e a cidade surge com um olhar externo e não convencional para representar o modo como a diretora vê Brasília desde que chegou, vinda de Minas Gerais.

“‘Artificial’ também se refere aos sonhos. Se você almeja algo, deve correr para alcançá-lo, pois se você sonha parado e não se movimenta, o tempo acaba e de repente tudo não passou de um arrependimento em não ter tentado realizar aquilo”, conta Andressa.

Natural de Montes Claros, ela assume as guitarras, vocais e divide a produção musical com Jan. Andressa começou a compor ainda criança, toca violão desde os 5 anos e guitarra desde os 9. Aos 10 anos, já buscava na internet modos de criar vídeos com suas músicas e começou a editar e trabalhar com pequenas produções musicais. Isso foi a base para um trabalho como cantora e compositora que a levou para o momento atual, aos 19 anos e estudando cinema, oficializando esse projeto ao lado de Jan.

Ele assume os baixos, programações e divide a produção musical da banda. Apaixonado por música experimental, Jan começou a se interessar por música ao ser hipnotizado pela dualidade artística e visual do Gorillaz. Através da banda, foi se interessando pelo trip hop de Bristol e pela busca de novas formas de composição.

Com mixagem e masterização de Ricardo Ponte (Scalene, Koppa, Alaska) e produção da própria banda, o EP da Binarious está previsto para o começo de 2019.

Volney Tolentino

Jovem dinâmico, que detém o poder central dos Cebolas Verdes; Um clã no interior (sigilo) da imensa África Subsaariana. Sua missão é fazer o bem como designer, crítico de cinema, professor de inglês e amante esportivo.

Estamos ao vivo!
CURRENTLY OFFLINE