Shazam! | Crítica

2 de abril de 2019

Publicado por Volney Tolentino

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no twitter
Tuíte isso
Compartilhar no whatsapp
Enviar no Whatsapp

Análise sobre o filme “Shazam!”, da Warner Bros. Pictures (convite da Warner Bros. Pictures Brasil) e adaptação da DC Comics, aqui no site Cebola Verde.

Confira a ficha técnica da trama cinematográfica:

Nome: Shazam!

Estreia: 04 de abril de 2019 (Brasil) – 2h 12min / Ação e Fantasia

Direção: David F. Sandberg

Elenco: Zachary Levi, Asher Angel, Mark Strong, Djimon Hounsou, Jack Dylan Grazer, Grace Fulton, Ian Chen, Faithe Herman

Distribuidora: Warner Bros. Pictures


Depois do sucesso de “Aquaman” (2018), a DC está encarregada de recomeçar de vez o seu universo cinematográfico; proposta de reformular e coletar mais as essências dos quadrinhos. A aposta do momento é com Shazam!, um personagem um tanto quanto secundário em relação à Trindade (Superman, Batman e Mulher-Maravilha). Resumindo o mesmo, sempre que Billy fala o nome “Shazam”, ele é instantaneamente atingido por um raio mágico que transforma-o em um super-herói adulto com poderes sobre-humanos (e vice-versa, uma vez que o personagem pode voltar a forma infantil da mesma forma). Os poderes do Capitão Marvel são oriundos de seis personagens mitológicos que lhe concedem tais características — sendo eles, Salomão (sabedoria), Hércules (vasta força física), Atlas (resistência, invulnerabilidade), Zeus (poderes mágicos), Aquiles (coragem) e Mércurio (velocidade, capacidade de voo). Shazam é designado, pelos próprios deuses que lhes concedem os poderes, como o Campeão da Humanidade.

Da “Era de Ouro” (1940) às telonas (2019), David F. Sandberg (Annabelle 2) teve a missão de reconstruir, ou até mesmo manter, o novo rosto da DC nos cinemas. É notório a mudança de pegada na direção sem a influência do Zack Snyder em um filme DC. A liberdade de expressão pessoal do diretor ganha muito mais força e um almeja um trabalho mais independente. Sandberg consegue trazer então para o público um filme coeso e divertido, mas peca em cenas desnecessárias. A trama em si conseguiria permanecer divertida – e bem diferente dos padrões que vimos até então da Warner com os super-heróis banda norte-americana de punk rock sem certas cenas que vieram apenas para preencher lacunas já estabelecidas. O fato é, a direção conseguiu trabalhar com todos os personagens, mesmo com esse problema no roteiro, e vale ressaltar que não é demérito.

A bola fora do filme foi com os efeitos especiais. Na maioria das vezes, não conseguira acompanhar o ritmo frenético do filme nas cenas de ação, exclusivamente os demônios dos setes pecados capitais. É bem grotesco e rude, pois não passara a sensação de realismo em nenhum momento. Muito diferente do que vimos em “Aquaman”. Uma pena! Entretanto, a trilha sonora é marcada por clássicos e objetivos momentos de tensão ou sensação de suspense. Até Ramones (banda norte-americana de punk rock) faz parte da soundtrack.

O motivo de “Shazam!” ser um filme diferente dos demais é por inúmeros motivos. Como já supracitado, o filme consegue ter uma pegada muito diferente em questão de paletas de cores – mais vivo e vibrante –, as músicas inseridas são mais próximas do público-alvo e o principal é ter um roteiro excelente acompanhado de um tema notório de atenção. Billy Batson (Asher Angel) é um garoto órfão que possui problemas de maturidade e aceitação de certas disfunções da vida. O motivo por qual ele é movido, reflete diferente em seus atos como o Campeão Shazam, um homem invencível. Imagine você criança virando um super-herói de aproximadamente 30 anos com incríveis superpoderes que listei a cima! Uma baita de responsabilidade. E o roteiro acompanhado da direção trabalho muito com esse tema, tanto do protagonista quanto um vilão rejeitado à sua adolescência. Asher Angel consegue transmitir essa carga emotiva ao personagem Billy e junto ao seu irmão de consideração Freddy (Jack Dylan Grazer) dão o ar da graça.

Com cortes precisos e cenas que com certeza ficarão na cabeça do povo, as referências acontecem o tempo todo no filme. São tantas que há de se perder! Tudo isso com boas atuações dos atores envolvidos. Zachary Levi traz consigo a essência de um adolescente de 14 anos, com expressões faciais bem humoradas; Asher Angel já faz um oposto, um adolescente mais introvertido devido aos problemas, ao se tornar Shazam, os mesmos “vão embora”; Jack Dylan Grazer é Freddy, irmão de Billy, e um grande cultuador nerd – o referenciador do filme; E seus irmãos que conseguem transmitir uma boa química entre si em suas diversas cenas. Já o vilão, Dr. Sivana, representado por Mark Strong, possui bastante tempo de tela para justificar suas devoções. O que é bom, mas como eu tinha dito lá em cima, algumas foram bem desnecessárias e nem sempre o CGI ajudou o ator. Fora isso, é interessante e convence.

Diante dos fatos supracitados, Shazam! é um mar de diversão, piadas bem usadas, cenas bem cortadas, diálogos interessantes e consegue prender o espectador na tela. Entretanto, peca em certas cenas desnecessárias para encher o filme e efeitos especiais toscos. Os personagens são bastante carismáticos, construções relacionais coesas como no filme todo. O roteiro ganhou pela grande mensagem que tem. Vale ressaltar que o filme contém duas cenas pós-créditos.

Notas
  • Atuação
  • Direção
  • Edição
  • Efeitos Especiais
  • Roteiro
  • Trilha Sonora
3.6

Sinopse

Billy Batson (Asher Angel) tem apenas 14 anos de idade, mas recebeu de um antigo mago o dom de se transformar num super-herói adulto chamado Shazam (Zachary Levi). Ao gritar a palavra SHAZAM!, o adolescente se transforma nessa sua poderosa versão adulta para se divertir e testar suas habilidades. Contudo, ele precisa aprender a controlar seus poderes para enfrentar o malvado Dr. Thaddeus Sivana (Mark Strong).

© 2020. Cebola Verde - "Versão 4.0: Cebolovers" / Developed by Mattz