Palavras Têm Vidas” na Bienal do Livro do Rio de Janeiro

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Depois do sucesso na edição de 2017, o poeta catarinense Mauro Felippe retorna ao evento para lançar antologia inédita.

Depois de emplacar o maior estande independente da 18ª Bienal do Livro do Rio de Janeiro, em 2017, o advogado e poeta catarinense Mauro Felippe retorna ao evento para apresentar sua antologia inédita: Palavras Têm Vidas, pela Editora Coerência. A coletânea reúne os melhores versos do autor e marca uma nova fase em sua carreira. O lançamento ocorrerá no dia 31 de agosto, às 18 horasPavilhão Verde, em frente à Arena Jovem.

Antes mesmo de ser apresentada ao grande público, a obra é endossada por críticos literários e nomes consagrados da literatura. Entre eles, o escritor e jornalista Fernando Jorge, que assina o prefácio da obra. Na larga visão espiritual de Mauro Felippe, as palavras têm sangue, pulsações cardíacas, almas sonoras, frêmitos de vida ardente (…) Mauro vê nos vocábulos o fiel espelho do nosso íntimo, dos nossos raciocínios, das nossas emoções”, pontua Jorge.

Mauro é conhecido no meio literário por escrever poesias que imprimem a realidade humana. E já publicou quatro livros: Humanos, Nove, Ócio e EspectrosPalavras têm vidas surgiu a partir de mais de 500 textos e segue a mesma linha do demais títulos publicados: um habilidoso jogo de palavras, envolto à críticas ácidas e reflexões acerca da complexidade da mente humana. Trata-se de uma obra para todos que desejam extrair o universo que só a literatura é capaz de proporcionar.

O próprio Mauro admite que jamais havia pensado em lançar uma antologia, assim como nunca cogitou escrever o primeiro, segundo, terceiro e quarto livros. “É mais um sonho que flui e se concretiza em minhas mãos, que provam que aquelas Palavras, antes lançadas timidamente, Têm Vidas”, define.

As ilustrações ficaram por conta do desenhista, também catarinense, Rael Dionísio. Elas têm o poder de traduzir as poesias em desenhos, às vezes abstratos, outros surrealistas, mas sempre com grande simbolismo.

VOCÊ TAMBÉM PODE CURTIR