Por que usamos cookies

Este site usa cookies para tornar sua experiência de navegação mais conveniente e pessoal. Os cookies armazenam informações úteis no seu computador para nos ajudar a melhorar a eficiência e a relevância do nosso site para você. Eles são essenciais para que o site funcione corretamente. Ao acessar este site, você concorda com o uso de cookies. Para mais informações, consulte a política de privacidade e a política de cookies do Cebola Verde clicando aqui ou clique aqui para fechar

Em disco de estreia, Duda Beat transforma sofrência em arte e amor próprio

Pernambucana dá voz a quem não se adapta aos amores modernos no álbum “Sinto Muito”.

Depois de anos de sofrimento por amor, a pernambucana radicada no Rio Duda Beat amadurece e dá a volta por cima na sua empoderada estreia musical. Em 11 faixas, ela faz um registro feminino, pessoal, sincero e encarando seus próprios demônios com alegria e bom humor. “Sinto Muito” está disponível em todas as plataformas de música digital.

Com um nome que reflete as paixões em excesso e o processo de superação, “Sinto Muito” é um verdadeiro diário de desabafos ácidos. Enquanto a música trilha um caminho entre os sons do Rio e do Nordeste, unindo as raízes do passado de Duda com um futuro por vir, as letras dão voz a uma mulher romântica que não consegue se adaptar à fluidez dos relacionamentos contemporâneos.

A estreia musical de Duda Beat começou a ser desenhada dois anos atrás, quando ela trouxe suas letras e melodias para a casa de seu amigo de infância, o produtor musical Tomás Tróia.  Ele não teve dúvidas e começou a criar a produzir as faixas com ela. O que era tristeza virou festa e arte, o que era dor de cotovelo virou um romance entre Duda e Tomás. A página estava virada.

“A minha música foi uma forma de me curar e de extravasar, mas ao final do processo descobri que ela vai falar com todas as pessoas que sofrem por amor, que amam e são rejeitadas e que não se encaixam no mundo moderno dos relacionamentos fugazes”, reflete Duda.

A sonoridade une indie, tecnobrega, axé, balada romântica e pop enquanto ela chora de solidão (“Back to Bad”), ri de si mesma (“Bédi Beat’), experimenta o sexo descompromissado (“Bixinho”, que ganhou clipe), faz gozação da noite cool do Rio (“Ninguém Dança”) e assume que nenhum amor é grande o bastante pra ela (“Todo Carinho”). Tudo com um clima de cumplicidade.

“Confesso que tornar pública a minha vida, dessa forma, dá um frio da barriga, mas quero que outras pessoas se sintam inspiradas por isso de alguma forma”, conta ela.

Usando a tristeza como força-motriz para a alegria, “Sinto Muito” contou com a produção de Tróia e uma equipe de grandes nomes da música carioca na parte técnica. O álbum teve produção adicional de Lux Ferreira e Patrick Laplan. A mixagem ficou a cargo de Diogo Strausz e Pedro Garcia, esse último que também assina a masterização.

O álbum está disponível nas plataformas de música digital de forma independente e estreia nos palcos cariocas no dia 08/06, às vésperas do Dia dos Namorados, no Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, no Rio.

Volney Tolentino

Jovem dinâmico, que detém o poder central dos Cebolas Verdes; Um clã no interior (sigilo) da imensa África Subsaariana. Sua missão é fazer o bem como designer, crítico de cinema, professor de inglês e amante esportivo.

Estamos ao vivo!
CURRENTLY OFFLINE