335 critica a violência policial em intenso clipe e single

15 de novembro de 2019

Publicado por Volney Tolentino

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no twitter
Tuíte isso
Compartilhar no whatsapp
Enviar no Whatsapp

“Cabo Figueiredo” marca o início de uma nova fase da banda.

Após explorar as angústias internas em seu EP de estreia “O Meu Sonho Eu Não Controlo”, a banda 335 explode em uma crítica social poderosa no single “Cabo Figueiredo”. Tratando da crescente violência policial e da aparente normalidade com que as pessoas encaram a situação, a faixa chega a todas as plataformas de música digital e ganha um clipe.

Ouça “Cabo Figueiredo”: http://smarturl.it/CaboFigueiredo335

Na canção, o narrador só se comove com a violência quando chega próximo a ele, atingindo alguém que conhece. “A música representa um olhar, muitas vezes hegemônico, brasileiro para com os inúmeros casos de assassinatos policiais. A ‘grande ironia’ da música vem por conta de uma verbalização de um sentimento tão comungado e cínico. Pois ao mesmo tempo que se percebe o cinismo desse sofrimento histérico e egocêntrico para com a morte do outro, se percebe também que existem lugares onde se pode matar sem consequências”, reflete o vocalista Lucas Rangel.

Com o amadurecimento e a experiência adquirida ao vivo desde o início da banda, Rangel (voz), Lucas Vale (guitarra), Davi Vale (baixo) e Daniel Vale (bateria) começaram a compor suas faixas autorais. Esse caminho de experimentos ganhou corpo no EP “O Meu Sonho Eu Não Controlo” e nessa nova faixa. Após o trabalho de estreia, a 335 lançou também vídeos e singles acústicos para as canções “Alice” e “Meu sonho eu não controlo”.

Assista a “Meu Sonho Eu Não Controlo” (acústico): http://bit.ly/MeuSonhoAcustico

Já para o vídeo de “Cabo Figueiredo”, a banda buscou trazer uma mistura da energia apresentada nos palcos com uma força caótica que circula no clipe. A concepção do roteiro é de Rodrigo Moura Oliveira e Rodrigo Castaños.

“O clipe foi uma tradução não só da letra, mas da energia que a música trazia para a gente. Cabo Figueiredo traz uma força que, para uma explicação rápida, poderia ser traduzida em indignação, porém não se trata só de indignação, a música não busca um inimigo, um adversário, alguém a quem possamos estabelecer nosso ódio e nos indignarmos. Quando a música coloca o policial que mata, na verdade ela está colocando um representante de nós e não um inimigo malvado. Ela está dizendo que quem está matando somos nós, representados por um policial”, explica Lucas Rangel.

Já disponível em todas as plataformas de música digital, o single teve mixagem, produção musical e masterização de Jorge Guerreiro.

© 2020. Cebola Verde - "Versão 4.0: Cebolovers" / Developed by Mattz

DESCASCANDO!
CURRENTLY OFFLINE