Triggerun entra em fase open beta no Steam

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

MMO de tiro em primeira pessoa já pode ser jogado gratuitamente no PC; game da 2Axion ocupa apenas 100MB de memória e passa a contar com partidas ranqueadas e uma loja in-game para aquisição de itens e cosméticos.

Chegou a hora de turbinar os personagens e jogar partidas ranqueadas no modo multiplayer de Triggerun, o MMOFPS free-to-play e totalmente em português da 2AXION. A fase open beta do jogo para PC acaba de ser liberada via Steam, e traz uma série de novidades em relação à versão que os jogadores brasileiros experimentaram em primeira mão no final de julho, ainda em closed beta.

A partir de agora, os usuários têm à disposição uma loja in-game onde poderão adquirir itens virtuais para aprimorar seus personagens e skins para personalizar o visual dos heróis. Além disso, as partidas multiplayer de Triggerun, que eram casuais, passam a ser ranqueadas, equilibrando os confrontos 5v5 de acordo com o nível dos jogadores, tornando as disputas mais competitivas e exigindo estratégias mais elaboradas.

Outra novidade é a chegada da personagem Alice, uma sniper da classe de defesa que dificilmente erra o alvo e é uma ótima opção para abrir os caminhos para seus aliados. Entre suas principais habilidades está a capacidade de se teletransportar e ficar invisível durante o combate.

“Estamos muito felizes com a repercussão e o engajamento da comunidade de Triggerun. Os feedbacks dos usuários estão nos ajudando a aperfeiçoar cada vez mais o jogo e a corrigir bugs. A cada nova fase ficamos mais empolgados e confiantes que no lançamento ofereceremos a experiência que os jogadores esperam” disse Mario Silveira, fundador e CEO da 2AXION.

Triggerun conta atualmente com 14 personagens, oito mapas e cinco modos de jogo, ocupa apenas 100 MB de espaço de armazenamento do PC e 4GB de memória RAM. O jogo é ambientado em um planeta em declínio, que sofre com desastres provocados pela  irresponsabilidade das grandes corporações que estão no poder. Como única alternativa, a sociedade se vê obrigada a se unir em uma luta pelo bem coletivo.

VOCÊ TAMBÉM PODE CURTIR