Foto: Reprodução/American Zoetrope
Foto: Reprodução/American Zoetrope

TBO Encontros e desencontros: um velho e uma jovem nas baladas do Japão

Por Matheus Augusto

Última atualização:

Hoje vamos falar sobre Coppola. A Sofia, não o cara lá de “Poderoso Chefão”. Em 2004, ela levava pra casa o Oscar de Melhor Roteiro Original por “Lost In Translation” (2003), seu segundo filme como diretora e roteirista. Na trama, Bob Harris (Bill Murray) e Charlotte (Scarlett Johansson) se veem em situações similares no Japão: não encontram felicidade em seus relacionamentos, estão longe deles – pelo menos na maior parte do filme -, e estão perdidos profissionalmente.

Cada um a seu modo, Bob e Charlotte vivem suas crises de solidão. Ele passa longas horas no bar. Ela, observa o mundo pela janela do seu quarto de hotel, ouve música e se afoga na própria bagunça. Os dois estão no mesmo país, na mesma rua, no mesmo hotel, e compartilham o mesmo vazio: a falta de propósito. É curioso perceber como, logo no início do filme, chegamos ao Japão junto com o personagem, e acompanhamos a beleza estética da cidade.

É despertada no público uma curiosidade por deixar o quarto e a televisão e explorar o desconhecido e belo. Mas essa vontade surge no personagem interpretado por Murray apenas quando ele, por acaso do destino, conhece Charlotte e ela o convida para participar de um programa com amigos.

Foto: Reprodução/American Zoetrope
Foto: Reprodução/American Zoetrope

Quando seu companheiro vai embora, ela e Bob se aproximam, viram amigos. Entre bares e karaokês, eles tentam preencher o vazio, mesmo sem saber o que buscam. Ao contrário de outros filmes, “Encontros e Desencontros” não é sobre amor, de amigos que acabam que se apaixonando, ou mesmo sobre amizade. É, literalmente, encontro e desencontro. Duas pessoas viajam, se conhecem e tentam aproveitar o máximo um do outros, sem precisarem se comprometer a fidelizarem aquele relacionamento com uma troca de endereços ou número de telefone.

Em dado momento, eles precisavam inclusive aceitar o término daquela pseudo-amizade para voltar à vida ordinária que tinham antes de se conhecerem. O que eles tiverem foi divertido, uma boa lembrança… e só. Ao contrário de filmes de “verão”, não há um feliz para sempre aqui, mas um certa melancolia, como ver um casal que se dava tão bem pedir o divórcio.

Foto: Reprodução/American Zoetrope
Foto: Reprodução/American Zoetrope

Como segundo filme de Sofia Coppola, temos uma obra de poucas palavras, de personagens não muito interessantes, sem jornadas espetaculares e sem muito a dizer. Parece ruim, mas apenas parece.

Coppola tem total controle de seus limitados recursos e faz bem saciar nossa curiosidade da beleza estética do Japão e criar um ambiente visualmente bonito mesmo nas cenas internas, para apresentar a solidão de Bob e Charlotte sem precisar verbalizar esse sentimento. No fim, não há lição de moral. Duas pessoas em pontos baixas de suas vidas se conhecem e, por um milésimo de segundo, esquecem da mediocridade da vida. E tudo isso só faz sentido quando estão juntos. Às vezes, ficar perdido é necessário para encontramos não apenas outras pessoas, mas nós mesmos.

Foto: Reprodução/American Zoetrope
Foto: Reprodução/American Zoetrope

Titulo: Encontroa e Desencontros (Lost in Translation)

Ano: 2003

Direção: Sofia Coppola

Duração: 101 minutos

Elenco: Bill Murray, Scarlett Johansson, Giovanni Ribisi, Anna Faris

Foto: Reprodução/American Zoetrope
Encontros e Desencontros
Bob Harris é uma estrela de cinema que está em Tóquio para fazer um comercial de uísque. Charlotte, por sua vez, está na cidade acompanhando seu marido, um fotógrafo de celebridades aficionado pelo seu trabalhado e que a deixa sozinha o tempo todo. Sofrendo com o horário e estranhos em uma terra estrangeira, Bob e Charlotte não conseguem dormir e se encontram, por acaso, no bar de um hotel de luxo. Em pouco tempo, encontram distração, fuga e compreensão um no outro entre as luzes de Tóquio.
Atuação
Direção
Fotografia
Roteiro
Trilha Sonora
3.7
Notas
DESCASCANDO AO VIVO!
CURRENTLY OFFLINE