Guerra de Apokolips finaliza o arco, mas perde oportunidade de ser épico [COM SPOILERS]

16 de maio de 2020

Publicado por Maria Tereza Oliveira

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no twitter
Tuíte isso
Compartilhar no whatsapp
Enviar no Whatsapp

Se em live-action o universo cinematográfico da DC divide opiniões, o mesmo não se pode dizer sobre as animações. Desde a época dos Super Amigos da Hanna-Barbera, passando pela série animada do Batman nos anos 1990 desenvolvida por Bruce Timm, até chegar nas produções mais recentes como Justiça Jovem ou a série da Alerquina, as animações costumam ter êxito do público e da crítica. Foi com o mesmo padrão de qualidade que surgiu o universo da DC neste estilo. Apesar de já lançar filmes de animação há tempos, em 2014 a DC resolveu dar o pontapé inicial no universo interligado com “Liga da Justiça: Guerra”. Depois dele, diversos outros filmes, sejam solos ou de equipes começaram a ser produzidos. Assim como do outro lado do muro, as cenas pós-créditos se tornaram comuns e, como a concorrência, uma ameaça constante rondava e mexia com o imaginário dos heróis.

Assim, após 15 filmes – entre solos e em equipe -, é lançado “Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips”. O longa que fecharia o arco da grande ameaça de Darkseid (Tony Todd). As similaridades com o primeiro longa da equipe vão além do título e do vilão principal. No entanto, apesar de ter sucesso em diversos pontos, o filme mais recente fracassa em vários aspectos, principalmente quando mexe nas personalidades de alguns personagens.

Voltando a falar de aspectos positivos, a direção de Matt Peters e Christina Sotta ajuda a valorizar os acontecimentos através de planos mais focados nas reações aos acontecimentos do que na luta em si. Mesmo sem inovações na forma de animação ou designer, a produção consegue ser eficiente e não decepciona, principalmente nos cenários de destruição. A trilha sonora de Frederik Wiedmann é mais um recurso que ajudar a contar a história com maestria e é um show à parte. Outra ideia acertada foi a divisão de grupos para enfrentar a ameaça, apesar de neste quesito, ser algo que o público assistiu recentemente, a execução é bem feita.

Ultimato da DC?

É difícil falar de Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips sem falar de “Vingadores Ultimato”. Primeiro porque, assim como na narrativa contada pela Marvel, os heróis da DC também são derrotados. Porém, as consequências chegam a ser maiores, não só pelo número de baixas, mas pelo o que Darkseid faz com os mocinhos. A tortura física e emocional vai além da derrota. Como resultado, somos apresentados à novas versões dos personagens que conhecemos, como um Superman (Jerry O’Connell) sem poderes após ter tido kryptonita injetada em seu corpo e largado na Terra para ver a humanidade perecer; um Batman (Jason O’Mara) que sofreu lavagem cerebral – de novo – e passa a trabalhar para Darkseid, assim como acontece à outros membros da Liga que tiveram partes do corpo substituídas por peças mecânicas. Porém, ao contrário da narrativa da Marvel que teve dois filmes de quase 3h cada para desenvolver a história, a DC faz isso com 1h30.

Apesar de conseguir condensar os acontecimentos na duração dos filmes e, de certa forma, transmitir o peso das consequências, algumas partes da narrativa são perdidas no processo. A perda mais notável é primeira batalha entre Liga da Justiça, Jovens Titãs, alguns vilões da Terra contra o exército de Darkseid. Alguns trechos da guerra são apresentados em forma de flashbacks, o que aumenta a sede para assistir e entender como os mocinhos foram massacrados.

Apesar disso, a animação consegue um feito que os live-actions da DC não têm êxito nos últimos filmes: entender o Superman. Mesmo sem poderes, Clark não deixa de se mostrar como símbolo de esperança e salvar vidas. Importante salientar que, mais do que dizer que o S no peito do Azulão significa esperança, é preciso mostrar o sentimento que ele transmite indo além dos que suas habilidades físicas são capazes.

Quando um Superman debilitado é capaz de salvar uma Ravena (Taissa Farmiga) desacreditada e próxima a cometer autoextermínio, é apresentada a forma de resgatar o símbolo do homem de aço. Aliás, a jornada de Clark com Ravena é um dos pontos altos do longa. Apesar de fragilizada pelas investidas de seu pai Trigon (Jon Bernthal), a adolescente recupera a esperança e integra a resistência à invasão dos parademônios, junto de Superman e Lois Lane (Rebecca Romijn).

 

Lois vs Alerquina

Voltando aos pontos negativos, é praticamente impossível imaginar que Amanda Waller mesmo depois de morta, permitiria que o comando do Esquadrão Suicida ficasse nas mãos de Alerquina (Hynden Walch). Mas essa não é a questão mais inacreditável envolvendo o grupo. Isso porque, para conseguir apoio deles, Lois enfrenta Harley em uma luta e a vence.

Final feliz?

Mesmo com o Darkseid preso junto com Trigon, num plot twist, após o demônio se sacrificar para salvar a filha, o final não é realmente feliz. Zattana (Camilla Luddington) e Batman até orquestraram um plano de emergência – que mesmo após a lavagem cerebral, não foi descoberto por Darkseid – que não foi capaz de salvar o planeta, já com a estrutura fatalmente comprometida pelo exército de Apokolips. Os poucos sobreviventes da batalha estão física e mentalmente quebrados e tudo se encaminha para um desfecho amargo. Até que Flash revela ter provocado o Flashpoint ao voltar no passado e salvar sua mãe. O filme se encerra com o velocista tentando recriar o fenômeno para salvar o planeta.

Contudo fica em aberto se o universo de animações da DC será totalmente rebootado, ou apenas algumas partes, ou se Flash – que assim como os outros, está debilitado – terá forças para conseguir consertar as coisas.

Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips encerra um arco, mas de forma apenas satisfatória. O filme acerta em muitos pontos, principalmente no que diz respeito às consequências das ações dos heróis, mas peca em alguns aspectos óbvios. A animação cumpre seu papel mas não se destaca em meio a um universo de animações com obras muito superiores.

Guia

A DC foi construindo a ameaça e características dos personagens que culminaram nesta última aventura ao longo dos anos em suas animações. Todas as ligações e motivações dos agentes da trama foram costurados um a um. Logo, quem assistiu e acompanhou os personagens a cada animação, vai se identificar e sentir mais a gravidade dos acontecimentos. Porém, apesar de não ser o ideal, para assistir e entender o último filme da equipe, alguns longas podem ser dispensados.

Créditos: Reprodução/Warner Bros

Eis os filmes indispensáveis para assistir Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips:
⦁ Liga da Justiça: Guerra;
⦁ Liga da Justiça vs Jovens Titãs;
⦁ Liga da Justiça Sombria;
⦁ A morte do Superman;
⦁ O retorno do Superman.

Notas
  • Direção
  • Edição
  • Roteiro
  • Trilha Sonora
  • Vozes
3.5

Sinopse

A conclusão de uma jornada, iniciada em Ponto de Ignição (Flash Point Paradox), de 2013, “Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips” lida agora com uma Terra dizimada após uma invasão do imperador de Apokolips, Darkseid, que derrota toda a Liga da Justiça após uma tentativa de ataque mal-sucedido dos maiores heróis da DC. Agora, os sobreviventes restantes da Liga da Justiça, Jovens Titãs, Esquadrão Suicida e outros heróis e vilões precisam se unir, montar uma estratégia e levar a guerra a Darkseid, em um levante final para salvar o planeta e seus habitantes. Essa é a guerra para acabar com todas as guerras, e só os vitoriosos poderão viver para aproveitar os espólios.

© 2020. Cebola Verde - "Versão 4.0: Cebolovers" / Developed by Mattz

DESCASCANDO!
CURRENTLY OFFLINE