CCXP19 | “Free Guy” é um sopro de novidade em meio a um evento de franquias

12 de dezembro de 2019

Publicado por Volney Tolentino

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no twitter
Tuíte isso
Compartilhar no whatsapp
Enviar no Whatsapp

Para uma Comic Con, nada mais empolgante que o anúncio de novos projetos dentro de marcas já consolidadas. Os que representam originalidade, por sua vez, são crianças menores em comparação aquelas que carregam a herança de seus antepassados. Esse é o caso de “Free Guy”, longa estrelado por Ryan Reynolds e dirigido por Shawn Levy, que conduziu alguns episódios da série “Stranger Things”. Juntamente ao ator Joe Keery, eles chegaram na CCXP 2019 dispostos a vender uma obra ao público que garantem ter a capacidade de ser um clássico da contemporaneidade.

Em “Free Guy – Assumindo o Controle”, um dos pontos que mais chamam atenção no que tange à expectativas é o valor dado ao protagonista. O próprio Reynolds comentou que Guy, o seu personagem, seria o melhor de toda a sua carreira. Isso significa algo bem grande, continuou o ator, referindo-se ao fato de ter interpretado também Deadpool. No filme, Ryan Reynolds vive um NPC que não sabe que é um personagem coadjuvante de um videogame. Ele acaba, no entanto, tendo conhecimento do que é o mundo ao seu redor e passa a assumir o controle de sua vida. Quiçá a grandiosidade do protagonista more nas virtudes que sua personalidade promete incorporar.

É que, como comentando e mostrado no painel – que contou com duas cenas da obra e um trailer –, Guy representa um misto de bondade e ingenuidade. Logo, transformará o jogo que passa a jogar em um espaço menos caótico e destrutivo, em contraste à maneira como os jogadores reais se comportam dentro daquele universo. Guy tentará crescer e se tornar alguém importante no videogame sem precisar tornar-se um sociopata no processo. Reynolds até mesmo citou inspirações suas para o seu personagem, como Peter Sellers em “Muito Além do Jardim”, de 1979. Para alguém conhecido mundialmente pelo seu papel como o Mercenário Tagarela, essa é uma virada interessante de rumos.

Já Shawn Levy – que conseguiu, de “Stranger Things”, trazer Joe Keery consigo –, o espelho que se tem no propósito do projeto é o impacto de “De Volta Para o Futuro” para todas as gerações que vieram depois do longa da década de 80. Por parte de uma nostalgia oitentista imensa que os anos 2010 viveram, é curioso que a resposta do cineasta seja justamente uma obra que saia bastante daquele escopo. Até o momento, o viés saudosista de “Stranger Things” não está tão aparente. Enquanto “Jogador Número 1” pegava a tecnologia contemporânea, mas também a reajustava às referências ao passado, o mundo de “Free Guy” aparenta ser completamente novo. Nisso, querer ser um filme tão importante para essa geração quanto outros de demais é um anseio mais honesto.

Pelo que foi mostrado, entretanto, as expectativas não precisam ser tão grandes. Das cenas, a primeira não conseguiu envolver o público da CCXP 2019, por trazer uma comédia apenas mediana. A segunda, por sua vez, estabeleceu pontos da narrativa e não conquistou pela inerente ausência de contextualização dramática. Já o trailer, esse sim competente, estabeleceu uma empolgação maior. Espera-se que seja esse o ritmo transportado para o longa-metragem, uma promessa desavisada que terminará escrevendo um pedaço, nem que pequeno, da história do cinema blockbuster.

Texto por Gabriel Carvalho

© 2020. Cebola Verde - "Versão 4.0: Cebolovers" / Developed by Mattz

DESCASCANDO!
CURRENTLY OFFLINE