Sex Education (1ª Temporada) | Crítica

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Análise da série “Sex Education”, comédia da Netflix, aqui no site Cebola Verde.

Confira a ficha técnica do filme:

Nome: Sex Education

Estreia: Desde 2019 – 50 minutos, em média

Criadores: Laurie Nunn

Elenco: Asa Butterfield, Gillian Anderson, Ncuti Gatwa, Emma Mackey, Connor Swindells, Kedar Williams-Stirling, Alistair Petrie, Mimi Keene

Produtora: Eleven Films

Distribuidora: Netflix


Mais uma série teen é lançada pela grandiosa Netflix com mais um tema abordado sobre os problemas rotineiros adolescentes e como superá-los com clichês… Não? Pois é, “Sex Education” está longe de ser apenas uma série monótona teen, pelo contrário, aborda temas atuais com maestria e sem clichês! Ou seja, a famosa fórmula é totalmente superada.

A australiana Laurie Nunn merece aplausos, digo isto por ter receios a séries teens por inúmeros motivos que não convêm no momento. Ela conta a vida de Otis, interpretado pelo inaudito Asa Butterfield, um garoto virgem do ensino médio socialmente desajeitado que vive com sua mãe, Jean (Gillian Anderson), que é uma terapeuta sexual. Ele se junta a Maeve (Emma Mackey), que é inteligente e esperta, “para montar uma clínica que lida com os problemas estranhos e maravilhosos de seus colegas estudantes”. A premissa é a partir disso tudo em apenas oito episódios com durações em média de cinquenta minutos.

A série não te enrola em nenhum momento, é até bem objetiva ao longo dos episódios; pois desde o piloto, a trama principal vai construindo uma lei de afinidade/intimidade com o telespectador inigualável – raras exceções de série teen – e, até mesmo, as subtramas vão completando o espetáculo. Tudo faz sentido e se conectam entre si. Outro fator que conecta o público é o linguajar informal chulo e corriqueiro do dia a dia. Obviamente, é notório ver que, em uma roda de amigos a fala costuma ser mais descontraída e vulgar, cujos integrantes possuem simpatia entre si e mais propício a falar besteiras. Sendo assim, a série “Sex Education” pegou todos esses atributos, e muito mais, para realizar seu esquema de jargões sexuais que se casaram muito bem ao longo da trama – sem se transcorrer forçado.

Com classificação etária de 16 anos no Brasil, cenas de sexo, palavrões, jargões sexuais – já mencionados na análise – e mais do nível hediondo da puberdade, a série possui uma química muito boa e vale a pena ser vista por todos. Temas como puberdade, virgindade, romance adolescente, sexualidade e intimidade com os pais entram em jogo de modo único! Nada é propriamente forçado, e digo mais uma vez, parabéns, Sra. Nunn! Juntando até uma boa trilha sonora; agradável.

É com toda certeza que muitos irão aprender com a série em diversos fatores já mencionados, contudo o que difere e apropria a série ser o que é, são os atores e incríveis personagens. Asa Butterfiled dá vida ao protagonista Otis, e quando começou a série, até estranhei a presença do jovem ator britânico no papel, porém, ele conseguiu ser louvável do começo ao fim. Só comentários positivos a respeito dele. Acompanhado pela atuação impecável de Ncuti Gatwa que se torna o Eric Effiong, um menino gay negro que mora com a sua vasta família cristãos e apenas irmãs meninas. Inúmeras cenas de Eric fazem jus a série ser tão boa. E do outro lado, aparecendo de fininho na vida de Otis, Maeve Wiley, interpretada pela icônica Emma Mackey, é a menina ovelha negra da escola e que não precisa de ninguém para dizer o que precisa. Há arcos com Adam Groff (Connor Swindells), cujo valentão nem sempre parece o que é, pois quem muito critica, acaba gostando. E sua mãe terapeuta sexual, Jean, interpretada por GIllian Anderson.

Diante dos fatos supracitados, “Sex Education” é a série perfeita para assistir em busca de esclarecimentos e dúvidas recorrentes de qualquer adolescente. A mensagem que passa em todos episódios deveriam ser levados para todos como uma autocrítica em relação aos relacionamentos pessoais e sexuais. Vale ressaltar que, certos assuntos corriqueiros como álcool e drogas não foram citados ou aprofundados na série. Há sim seus momentos cômicos em pontos certos e outros que não funcionam nem tanto. E o “shippe” é real na série, ou seja, a vontade de uma segunda temporada é grande!

Notas
  • Atuação
  • Direção
  • Edição
  • Roteiro
  • Trilha Sonora
3.9

Sinopse

Otis (Asa Butterfield) é um adolescente socialmente inapto que vive com sua mãe, uma terapista sexual. Apesar de não ter perdido a virgindade ainda, ele é uma espécie de especialista em sexo. Junto com Maeve, uma colega de classe rebelde, ele resolve montar sua própria clínica de saúde sexual para ajudar outros estudantes da escola.

VOCÊ TAMBÉM PODE CURTIR