Matt Kivel antecipa novo álbum com o clipe “L.A. Coliseum”

21 de março de 2019

Publicado por Volney Tolentino

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no twitter
Tuíte isso
Compartilhar no whatsapp
Enviar no Whatsapp

“Last Night In America” será lançado pelos selos Cascine (NYC) e Pedro Y El Lobo (México).

O cantor e compositor californiano Matt Kivel se prepara para lançar seu quinto álbum de estúdio, “Last Night In America”. O trabalho, que será divulgado em maio pelos selos Cascine (Nova Iorque) e Pedro Y El Lobo (Cidade do México), amadurece a sonoridade folk experimental e ambient do artista. Atualmente baseado em Houston, no Texas, Matt se inspirou em sua cidade natal para compor o primeiro single, “L.A. Coliseum”. A faixa está disponível nos serviços de streaming e ganha um clipe dirigido pela elogiada artista visual Sachiyo Takahashi, do Nekaa Lab, em Nova Iorque.

O último álbum do cantor, “Fires On The Plain”, foi lançado em 2016. Era um LP duplo composto de 26 músicas com uma produção complexa e apresentando renomados artistas convidados – entre eles, Robin Pecknold (Fleet Foxes) e Bonnie “Prince” Billy.

Kivel começou a trabalhar como músico em variadas bandas durante a primeira década dos anos 2000. A partir de 2013, o artista iniciou sua jornada solo com o lançamento de alguns cassetes de edição limitada que levaram ao álbum “Double Exposure”, naquele mesmo ano. Seguindo por um caminho mais introspectivo do que seus projetos anteriores, ele passou a explorar sintetizadores em canções acústicas com vocais brandos. Já o segundo disco, “Days of Being Wild” (2014), gravado com Paul Oldham (membro do Palace Brothers), foi sucedido por dois lançamentos consecutivos em 2016 – além de “Fires on the Plain”, veio também “Janus”, repercutindo em veículos como Pitchfork, BBC Music e The Fader.

Para “Last Night In America”, Matt voltou ao básico, reconectando-se com os elementos mais puros da sua música. Ele produziu o álbum inteiramente de casa, tocando todos os instrumentos e se concentrando em arranjos minimalistas. Isso resultou em 11 faixas que combinam texturas envolventes, batidas simples, guitarras quentes e vocais poderosos e de voz suave.

Visto de longe, “Last Night In America” é calmo e fácil de escutar. Uma mistura equilibrada de canções em clima ambient e músicas onde folk, lo-fi e indie-pop se misturam suavemente. Visto de perto, é uma obra na qual cada palavra, som e silêncio é cuidadosamente colocado com um propósito. É o tipo de registro que se desdobra lentamente e revela novos segredos a cada audição.

As letras ganham vida como velhos vídeos caseiros antes de se aproximar de uma imagem específica: um cigarro pressionado entre os dentes, uma risada nervosa que cheira a vodca, pés molhados na beira do riacho, um céu cheio de pássaros.

É muito provável que Matt Kivel tenha uma memória fotográfica. Talvez se possa supor que ele tenha dificuldade em abandonar as coisas. Mas o único fato verdadeiro é que o artista tem um talento inegável para transformar essa nostalgia em músicas de cortar o coração que desafiam todos os clichês.

“L.A. Coliseum” é uma breve história do amor platônico que acontece dentro da memória de uma luta de boxe. Em uma narrativa imagética, ele versa: “sangue pulverizado na primeira fila / mas nós estávamos bem no alto / no topo do estádio / rindo e bebendo cerveja / você sentou ao meu lado / colocou sua mão ocasionalmente nas minhas costas / e então você me contou sobre sua vida / e garotos com quem você esteve”.

O vídeo oficial do single foi criado e dirigido pela artista japonesa Sachiyo Takahashi. Além de ser um simples videoclipe, é a primeira peça de uma colaboração visual que se estende até o próximo vídeo e os visuais das apresentações ao vivo de Matt. Inspirada pela arte do álbum e pelas emoções que a canção evoca, Sachiyo consegue transformar a história em imagens abstratas feitas por uma mistura de luz, sombra, cores e formas assimétricas, tudo criado organicamente, sem efeitos digitais. É uma obra de arte que leva a sensação da canção a um nível subconsciente, cativando não apenas os olhos, ouvidos mas a mente como se fossem alucinações hipnagógicas.

Além da capacidade de encontrar poesia na vida cotidiana, as letras de Matt se destacam por falar sobre temas como amor, memória e juventude de uma forma que se conectam com os tempos atuais. A última linha do verso reconhece e aceita o passado da outra pessoa com tanta simplicidade que envergonha qualquer canção de sucesso que tenha idealizado relacionamentos possessivos.

Não há ciúmes aqui. Não existe “para todo o sempre”. Apenas alguém sincero e completamente absorvido por um momento. “L.A. Coliseum” é uma canção de amor desta geração – e há muitas outras como ela no álbum. Matt escreve de um lugar que é tão pessoal que é capaz de transmitir partes essenciais do zeitgeist millennial sem a necessidade de explicá-las. Acontece em pequenos momentos subestimados que escondem enormes verdades com uma frase cantada em uma cativante voz imperfeita.

O álbum “Last Night In America” tem previsão de lançamento para 10/05, em formato digital nas principais plataformas de streaming de música.

© 2020. Cebola Verde - "Versão 4.0: Cebolovers" / Developed by Mattz